Câncer de endométrio

Câncer de endométrio: quais as causas e como é feito o diagnóstico?



O câncer de endométrio é o sexto tipo mais frequente em mulheres, no mundo, e um dos tumores ginecológicos mais comuns. Para evitar essa doença, é necessário conhecer as causas e saber como é feito o diagnóstico.

Quer saber mais sobre cada um desses tópicos? Então, não deixe de ler este texto até o final.

O que é câncer de endométrio?

O endométrio é uma membrana muito vascularizada que reveste a parede interna do útero. O câncer de endométrio pode ter origem em uma lesão pré-maligna ou já aparecer de forma maligna. 

Normalmente, as pessoas mais afetadas por essa doença são as mulheres com mais de 60 anos, que estão, portanto, na fase pós-menopausa. 

Quando não há um diagnóstico precoce do câncer de endométrio, o tumor crescerá e poderá se alastrar para o miométrio, atravessá-lo e alcançar a vagina, o colo do útero, os ovários, o reto, bem como o sistema urinário e o interior do abdômen. 

Em casos raros, a metástase pode, ainda, chegar aos pulmões, fígado e osso. Os sintomas mais relatados são hemorragia vaginal, com sangramento entre os períodos menstruais ou após a menopausa, dor e incidência de massa anormal na pelve e perda de peso.

Esse câncer pode se manifestar de diferentes formas, sendo mais frequente o carcinoma endometrioide. 

Quais são as causas?

Nas mulheres que ainda estão menstruando, o endométrio aumenta de espessura a cada mês, pois ele se prepara para um possível gravidez. Se, durante o ciclo menstrual, a mulher não engravidar, esse revestimento extra é expelido durante a menstruação.

Quando chega à menopausa, a mulher deixa de menstruar e, consequentemente, o endométrio não aumenta mais de espessura. Entretanto, quando ocorre alguma disfunção, esse revestimento extra se desenvolve pela ação indevida de células anormais, caracterizando o câncer de endométrio.

Ainda não se sabe a causa dessa disfunção, mas há um entendimento de que ocorre uma mutação genética no interior das células do endométrio. Essa mutação torna anormais as células saudáveis.

Assim, elas se multiplicam rapidamente e formam um tumor. As células cancerígenas se instalam nos tecidos adjacentes e podem se espalhar para outras partes do corpo, passando a ser um câncer metastático.

Como é o diagnóstico?

O diagnóstico desse câncer é feito a partir da realização dos seguintes exames:

  • exame pélvico, para que avalie o interior da vagina;
  • ultrassom transvaginal;
  • curetagem;
  • histeroscopia, para que seja visualizado o interior da vagina e, por meio do endoscópio, seja feita uma biópsia.

O resultado desses exames, confirmará ou descartará a incidência do câncer. Quando ele é diagnosticado, a próxima etapa é descobrir o estágio em que se encontra e se ele já se espalhou para outras áreas ou não.

Para isso, podem ser realizados um exame físico, uma ressonância magnética do abdômen e da pelve e uma radiografia do tórax. 

No entanto, nem sempre o diagnóstico é precoce. Por isso, a realização periódica de exames ginecológicos e o acompanhamento médico são as melhores formas de prevenir o câncer de endométrio ou de diagnosticá-lo precocemente.

Quer saber mais? Estou à disposição para solucionar qualquer dúvida que você possa ter e ficarei muito feliz em responder aos seus comentários sobre este assunto. Leia outros artigos e conheça mais do meu trabalho como oncologista em Londrina!



Comentários
Dr. Rafael Onuki Sato

Posted by Dr. Rafael Onuki Sato