queratoacantoma

Saiba mais sobre o queratoacantoma



O queratoacantoma é um tipo de câncer de pele que se desenvolve principalmente pela exposição aos raios solares, ou por uma deficiência imunológica. As áreas mais atingidas são a cabeça, pescoço, braços e pernas.

Este tumor é muitas vezes associado a uma forma mais branda do carcinoma de células escamosas. De todo modo, o queratoacantoma é tratado de forma semelhante ao carcinoma.

Entenda mais sobre a doença, a seguir.

Sintomas do queratoacantoma

O queratoacantoma é caracterizado por um nódulo vermelho com cerca de 5 a 15 milímetros, semelhante a uma espinha. O tumor cresce rapidamente e o centro do nódulo costuma ser duro e escamoso. 

Após algumas semanas, as bordas da lesão podem ficar achatadas e a parte central pode cair, deixando uma cicatriz parecida com um disco. No início, quando o nódulo cresce mais, ele pode ser dolorido e sensível.

Fatores de risco

Ainda não se sabe ao certo o que causa o queratoacantoma. Assim, diversos fatores devem ser considerados. O que se sabe atualmente é que a luz ultravioleta do sol é um importante fator de risco.

Trabalhadores industriais expostos a piche e alcatrão apresentam maior incidência de queratoacantoma. Um estudo também associou o tabagismo ao desenvolvimento da doença.

Outras causas prováveis para este tipo de tumor incluem:

  • infecção por papilomavírus humano (HPV);
  • genética;
  • sistema imune fragilizado;
  • alterações cromossômicas.

Quais são os tratamentos para o queratoacantoma?

O queratoacantoma pode “desaparecer” sem tratamento alguns meses após o seu surgimento. Em outros casos, quando é preciso uma intervenção médica, o procedimento mais comum é a cirurgia de remoção do nódulo.

A cirurgia é simples e pode ser feita no próprio ambulatório médico. Outros métodos utilizados é a raspagem do tumor e a aplicação de nitrogênio líquido, chamada de criocirurgia.

Em outros casos, pode ser necessário remover uma parte maior de tecido, para garantir a retirada de todas as células pré-cancerígenas da pele. Esse método é chamado de cirurgia de Mohs.

Quando o paciente apresenta nódulos múltiplos, é necessário um tratamento mais eficaz, que geralmente inclui a quimioterapia, radioterapia, além de outros medicamentos.

Mesmo que um queratoacantoma desapareça sozinho, ele pode deixar marcas na pele mais graves do que a de uma incisão cirúrgica. Além disso, existe forte risco de que o tumor retorne futuramente. Sendo assim, o mais recomendado é a intervenção e acompanhamento médico.

É possível prevenir a doença?

Sim! Verifique regularmente a sua pele em busca de caroços ou manchas incomuns. Também é importante consultar um médico dermatologista para que seja feito exame físico anual. Ainda, é importante proteger a pele contra os danos causados pelo sol, principalmente pessoas com pele, olhos e cabelos claros.

As ações de prevenção deste tipo de tumor, bem como de outros tipos de câncer de pele, incluem:

  • evitar o sol das 10 h às 16 h;
  • usar filtro solar de amplo espectro com fator de proteção 15, ou superior;
  • usar roupas e chapéus de proteção solar em ambientes externos;
  • por fim, evitar o bronzeamento artificial.

Quer saber mais sobre o queratoacantoma? Estou à disposição para solucionar qualquer dúvida que você possa ter e ficarei muito feliz em responder aos seus comentários sobre este assunto. Leia outros artigos e conheça mais do meu trabalho como oncologista em Londrina!



Comentários
Dr. Rafael Onuki Sato

Posted by Dr. Rafael Onuki Sato