câncer no pulmão

Câncer no pulmão — diagnóstico e tratamentos

Câncer no pulmão — diagnóstico e tratamentos

O diagnóstico e tratamento do câncer no pulmão são duas grandes dúvidas de boa parte das pessoas. Afinal, apesar de ser um dos mais vistos, as informações são pouco divulgadas. 

Ao contrário do que alguns imaginam, a verdade é que esse tumor é altamente tratável quando identificado ainda no início. Para tanto, reconhecer os sintomas e manter uma rotina de exames é crucial. 

Acompanhe este artigo e entenda as principais formas de diagnóstico e tudo o que você precisa saber sobre o tratamento do tumor nos pulmões. 

Como é feito o diagnóstico de câncer no pulmão?

Quase sempre assintomático em suas fases iniciais, identificar esse tipo de câncer por meio dos sintomas é bem difícil. Muitas vezes, o paciente só começa a apresentar os sinais mais graves, como tosse com sangue, depois que o tumor se tornou metastático. 

Além disso, não há um exame específico apenas para identificar a doença. A principal forma de diagnóstico, então, é por meio de exames de imagem, como a radiografia do tórax, que deve ser acompanhado de uma tomografia computadorizada para confirmar a presença de tumor no pulmão. 

A inclusão de exames de imagem na rotina é uma ótima forma de garantir a identificação da doença em seu estágio inicial. 

Grupos de risco   

Para quem faz parte do grupo de risco desse tipo de câncer, é ainda mais importante garantir uma rotina de exames recorrentes. Cerca de 90% dos casos da doença são provocados por fumo ou exposição a agentes químicos, como o amianto, radônio, arsênio e outros. 

Quais os principais tratamentos disponíveis? 

O tratamento adotado vai depender de uma série de fatores, desde o tipo de câncer no pulmão, o estágio em que a doença se encontra e até o estado físico do paciente. Algumas vezes, é possível utilizar mais de um tratamento ao mesmo tempo, visando a melhora na qualidade de vida da pessoa. 

Cirurgia 

Quando o câncer ainda é pequeno e é identificado em sua fase inicial, a melhor forma de tratamento é a cirurgia. Isso porque todo o tumor é removido durante a operação e isso potencializa as chances do paciente de tratar a doença. 

A depender do caso, a cirurgia retira apenas o tumor, uma parte inteira do pulmão atingido pela doença ou, até mesmo, o pulmão inteiro. 

Quimioterapia  

Em caso de câncer de pequenas células, o tratamento já exige outros procedimentos, como a quimioterapia e radioterapia. Aqui, o objetivo é destruir completamente as células cancerígenas ou apenas impedir que o tumor continue a crescer. Geralmente, é uma opção quando não é mais possível fazer a cirurgia de retirada da parte afetada pelo tumor. 

Radioterapia 

A radioterapia também visa destruir as células cancerígenas do câncer no pulmão, mas, dessa vez, utilizando a radiação. É comum que esse tipo de tratamento seja acompanhado por outros, como a própria cirurgia ou quimioterapia. 

Quer saber mais? Estou à disposição para solucionar qualquer dúvida que você possa ter e ficarei muito feliz em responder aos seus comentários sobre este assunto. Leia outros artigos e conheça mais do meu trabalho como oncologista em Londrina!

Posted by Dr. Rafael Onuki Sato in Todos
Conheça os principais sintomas do câncer no pulmão

Conheça os principais sintomas do câncer no pulmão

O câncer no pulmão é um dos mais comuns e, geralmente, está associado ao tabagismo ou contato constante com agentes cancerígenos. Apesar disso, a doença tem um início silencioso e muita gente confunde seus sintomas com enfermidades simples, como a gripe. 

Ainda que existam poucos sintomas nos primeiros estágios, pode ser que o corpo dê alguns sinais de que está adoecendo. O risco está em confundir esses indícios com diversas outras doenças, como tuberculose, e atrasar o tratamento por isso. 

Se você está em dúvida e quer descobrir os principais sintomas do câncer do pulmão, acompanhe este artigo e entenda tudo o que você precisa saber para identificar a doença e diagnosticá-la o quanto antes. 

Sintomas do câncer no pulmão 

Tosse constante 

A tosse é um sintoma comum de diversas doenças, inclusive das mais simples, como gripes e resfriados. No entanto, se você é fumante, ela está constante o acompanha há algumas semanas, é crucial buscar ajuda médica. 

Ainda, não importa muito o tipo de tosse. Ela pode ser seca e durar mais de 2 semanas ou com catarro ou vestígios de sangue. Nesse último caso, é muito provável que a doença já esteja em um estágio avançado e precise de tratamento imediato para retardar o avanço do câncer. 

Falta de ar 

Outro sinal comum está relacionado à falta de ar, incômodo constante na garganta e rouquidão que dura semanas. Infelizmente, também podem aparecer em outras doenças respiratórias, por isso, nem sempre gera preocupação no paciente. 

Além disso, a falta de ar também pode vir acompanha de uma fadiga crônica, que não alivia mesmo depois de muito repouso, o que é muito comum em mais de um tipo de câncer. 

Dores no peito

Dores no peito também são sintomas desse tipo de câncer e, muitas vezes, estão acompanhadas de outros, como a tosse constante. 

Apesar de ser mais comum sentir dor no peito, a depender do tipo de câncer e o estágio, também é possível aparecer dores nas costas e nos ombros. 

É comum que a dor apareça ao respirar. Câimbras musculares e até mesmo fraquezas nos membros superiores também são sinais de alerta e devem ser informados imediatamente para o médico que acompanha o caso.

Infecções pulmonares constantes

Quadros constantes de pneumonia também podem ser um indício, principalmente se o paciente estiver no grupo de risco, que inclui fumantes (inclusive os passivos) e pessoas que têm contato constante com outros agentes cancerígenos.

Entretanto, vale lembrar que todos esses sintomas são comuns a outras doenças e o acompanhamento médico é crucial. O diagnóstico só deve ser feito após exames, como radiografia do tórax e tomografia computadorizada. 

A doença em seus estágios iniciais é tratável, inclusive por meio de cirurgia para a retirada do câncer no pulmão. Por isso, fazer exames de rotina constantes e prestar atenção em qualquer sintoma anormal são passos cruciais para a identificação precoce da doença. 

Quer saber mais? Estou à disposição para solucionar qualquer dúvida que você possa ter e ficarei muito feliz em responder aos seus comentários sobre este assunto. Leia outros artigos e conheça mais do meu trabalho como oncologista em Londrina!

Posted by Dr. Rafael Onuki Sato in Todos