Câncer de Estômago

Câncer de Estômago: Causas, Sintomas e Tratamento

De acordo com levantamento do INCA (Instituto Nacional do Câncer), o câncer de estômago é o terceiro tipo de maior incidência entre os homens e o quinto entre as mulheres. Porém, nem sempre é fácil diagnosticá-lo, pois está relacionado a sintomas comuns a outras doenças.

Quer saber tudo sobre as causas, sintomas e tratamentos desta neoplasia maligna? Então, recomendamos a leitura deste post. Nele, explicaremos tudo sobre cada um desses itens.

O que é o câncer de estômago?

Também chamado de câncer gástrico, o câncer de estômago ocorre quando há a formação de tumores, principalmente, na camada mucosa da parede gástrica. Trata-se de uma doença mais frequente em homens com idade entre 60 e 70 anos.

Ainda, os tumores malignos que desenvolvem no estômago costumam ser de lenta evolução, o que faz com que o seu diagnóstico seja tardio. O tipo mais prevalente é o adenocarcinoma, respondendo por 90% dos casos.

Outros tipos de tumores que podem surgir neste órgão são os linfomas e sarcomas, que são de baixa incidência, os tumores neuroendócrinos e os tumores estromais do trato digestivo (GIST). As melhores chances de cura existem quando o diagnóstico é precoce.

Quais são os sintomas mais comuns?

Geralmente, o câncer de estômago se desenvolve sem manifestar sintomas óbvios. Por isso, é necessário estar atento ao surgimento de qualquer problema que tenha alguma relação com a doença. Alguns importantes sinais são:

  • azia constante;
  • dor abdominal;
  • náuseas e vômitos;
  • perda de peso sem causa aparente;
  • sensação de empachamento;
  • diarreia ou prisão de ventre;
  • fraqueza e cansaço;
  • vômito com sangue ou sangue nas fezes.

Quais são as principais causas?

Assim como outros tipos de câncer, o câncer de estômago não tem uma causa específica conhecida. Neste sentido, existem fatores de risco que elevam as chances de alguém desenvolvê-lo. Esses fatores são:

  • infecção pela bactéria Helicobacter pylori, responsável por causar gastrites e úlceras gastroduodenais. Estudos recentes mostraram que ela também é capaz de produzir lesões pré-malignas na mucosa do estômago;
  • fumantes apresentam duas vezes mais chances de adquirir o câncer no estômago;
  • diagnóstico de gastrite atrófica;
  • histórico do mesmo tipo de câncer na família;
  • ter origem asiática;
  • presença de pólipos no estômago, principalmente os adenomatosos.

Como é o tratamento?

O tratamento do câncer de estômago é basicamente cirúrgico e pode ser realizado nos diversos estágios da doença.  O procedimento pode ser para a retirada parcial ou total do estômago e dos gânglios linfáticos e, em alguns casos, até de outros órgãos. As técnicas mais usadas são:

  • ressecção endoscópica da mucosa, que consiste na retirada do tumor com o uso de endoscópio;
  • gastrectomia subtotal, procedimento em que se realiza a remoção do omento e o do baço, parte do estômago e, às vezes, parte do esôfago ou do duodeno;
  • gastrectomia total, quando há uma disseminação do tumor e se faz necessário remover os linfonodos, o omento e o estômago. Em alguns casos, o baço e parte do esôfago, intestino e do pâncreas também podem ser removidos;
  • cirurgias paliativas: quando o câncer de estômago é inoperável, as cirurgias paliativas são indicadas para controlar a doença e aliviar os sintomas. Elas podem ser a gastrojejunostomia, a ablação tumoral endoscópica, a colocação de cateter e o posicionamento da sonda de alimentação.

Então, com a leitura deste texto, você conheceu um pouco mais sobre o câncer de estômago, seus sintomas e causas mais comuns e as formas de tratamento mais indicadas. 

Quer saber mais? Estou à disposição para solucionar qualquer dúvida que você possa ter e ficarei muito feliz em responder aos seus comentários sobre este assunto. Leia outros artigos e conheça mais do meu trabalho como oncologista em São Paulo!

O que deseja encontrar?

Compartilhe

Share on facebook
Share on linkedin
Share on google
Share on twitter
Share on email
Share on whatsapp