Câncer Ginecológico

Câncer Ginecológico: exames preventivos

A avaliação ginecológica é fundamental para a manutenção da saúde feminina. Para isso, utiliza-se de diferentes exames que identificam, precocemente, diferentes cânceres ginecológicos e outras doenças.

Por isso, neste post, listamos aqueles procedimentos que se mostram mais eficazes nessa detecção e que são comumente prescritos nos consultórios ginecológicos. Quer saber mais? Então, continue a leitura.

Principais formas de detectar o câncer ginecológico:

1) Exame citológico

Também chamado papanicolau, o exame citológico é utilizado para detectar alterações nas células do colo do útero. Para realizá-lo, o médico introduz um espéculo na vagina da paciente. Com isso, amplia a visão do interior do aparelho reprodutor feminino. Posteriormente, realiza uma inspeção visual da região.

Em seguida, ele faz uma pequena descamação das paredes do colo do útero com o uso de uma espátula de madeira e uma escovinha. Com isso, coleta as células para análises laboratoriais.

De modo geral, o procedimento é simples, rápido e indolor. No entanto, pode ser desconfortável se a paciente não conseguir relaxar. Além disso, é o procedimento mais comum para o rastreamento de um câncer ginecológico, principalmente o de colo de útero.

2) Ultrassom transvaginal

Trata-se de um exame de imagem, indolor, feito com a paciente deitada para a introdução de um transdutor, que emite ondas sonoras transformadas em imagens. 

Ainda, a ecografia transvaginal é um complemento da ultrassonografia pélvica e oferece mais precisão na visualização da região. Assim, possibilita o diagnóstico de vários problemas, desde cistos e infecções até um câncer. 

Diferente de outros exames, este não emite radiação e produz imagens nítidas e detalhadas dos órgãos. Por isso, é um dos procedimentos mais recomendados pelos médicos para o rastreamento de tumores.

3) Histeroscopia

Em suma, é um exame que possibilita a identificação e o tratamento de anomalias no útero, como, por exemplo, pólipos, miomas, sangramentos uterinos e alterações anatômicas. Para sua realização, utiliza-se um histeroscópio, equipamento que possui uma câmera na extremidade.

Ademais, deve ser feita na primeira quinzena da menstruação, quando a mulher não está mais menstruada. Por fim, é um exame contraindicado para gestantes ou mulheres com infecção vaginal.

4) Colposcopia

A colposcopia permite a análise das estruturas da vulva, vagina e do colo de útero de modo a encontrar sinais de inflamação. Além disso, é muito eficiente na identificação de verrugas genitais, lesões pré-cancerosas ou de doenças, como o câncer. 

Geralmente, é feita quando o Papanicolau indica alguma alteração. Porém, também pode ser um exame de rotina para a prevenção do câncer. 

Ainda, o procedimento exige que a paciente fique em posição ginecológica para que o médico introduza um espéculo que mantém o canal vaginal aberto. Posteriormente, ele insere o colposcópio.

Esse equipamento possibilita uma visão ampliada da região. Deste modo, ele aplica diferentes produtos que evidenciam alterações na região da vulva, vagina ou do colo do útero. Sendo assim, caso haja algum problema o ginecologista solicitará uma biópsia para identificar se a condição é maligna ou benigna. 

Gerenciando o câncer ginecológico

Enfim, com a leitura deste post, você conheceu um pouco mais sobre os exames mais importantes para a prevenção do câncer ginecológico. Portanto, mantenha uma rotina de visitas ao seu médico para contribuir com o diagnóstico precoce.

Quer saber mais? Estou à disposição para solucionar qualquer dúvida que você possa ter e ficarei muito feliz em responder aos seus comentários sobre este assunto. Leia outros artigos e conheça mais do meu trabalho como oncologista em São Paulo!

O que deseja encontrar?

Compartilhe

Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter
Share on email
Share on whatsapp