Carcinoma espinocelular

Carcinoma espinocelular: causas, sintomas e tratamentos

O carcinoma espinocelular, também conhecido por carcinoma de células escamosas, é uma categoria de câncer que tem início nas células escamosas. Elas são células achatadas e finas que compõem a epiderme do corpo. A principal causa dessa doença são as alterações sofridas pelo DNA das células, provocando uma multiplicação descontrolada.

A seguir, vamos entender mais sobre o carcinoma espinocelular. Continue a leitura e saiba mais sobre essa doença!

Quais são os principais sintomas?

A manifestação do carcinoma de células escamosas pode ocorrer de diferentes maneiras na pele. Entre os sinais mais recorrentes estão os seguintes:

  • protuberâncias semelhantes a verrugas;
  • feridas que surgem a partir de uma cicatriz antiga;
  • feridas abertas;
  • crescimentos firmes com o formato de cúpula;
  • mancha escamosa avermelhada e áspera.

O carcinoma espinocelular tende a surgir em regiões em que a pele é exposta aos raios solares frequentemente, como o couro cabeludo, lábios, rosto, mãos e orelhas.

Na maioria dos registros ele começa a se desenvolver nos locais que os danos foram intensos. Dentre os sinais que podem indicar que a pele sofreu danos significativos estão as rugas profundas, manchas, perda da firmeza e descoloração.

Importante: o carcinoma espinocelular pode se surgir em qualquer parte do corpo onde existam células escamosas, regiões menos visíveis também não estão imunes. Por exemplo, no tecido sob as unhas dos pés, ânus e órgãos genitais.

Caso a doença apareça nessas áreas, os sintomas podem envolver:

  • unha: linha escura sob a unha e feridas semelhantes a verrugas;
  • ânus e genitais: manchas com elevação na cor avermelhada;
  • no interior da boca: região áspera ou com sinais de dor.

Quais são os tratamentos disponíveis?

Para a definição do melhor tratamento, o médico especialista avaliará alguns pontos fundamentais:

  • a idade do paciente;
  • a gravidade do carcinoma;
  • a localização;
  • as condições gerais de saúde.

A boa notícia é que quando o carcinoma espinocelular é identificado precocemente e o tratamento iniciado, o tratamento consegue obter bons níveis de sucesso. Entretanto, após se espalhar o processo de tratamento torna-se muito mais difícil.

Há várias maneiras de lidar com a doença. Por exemplo, a quimioterapia, radioterapia, terapia local, cirurgia e terapia alvo.

A escolha da terapia está condicionada a região onde o câncer está localizado, assim como ao seu tamanho. A cirurgia e a radioterapia tem sido os tratamentos mais comuns para essa doença.

É possível prevenir?

Sim! A prevenção do carcinoma espinocelular passa pela adoção de hábitos práticos e cuidados que podem ser integrados à rotina diária do indivíduo. Alguns deles são:

  • sempre usar o protetor solar com o fator FPS mais adequado ao seu tipo de pele;
  • evitar o sol nos horários em que ele está mais forte — entre 10h e 16h;
  • evitar se expor demasiadamente ao sol;
  • evitar o bronzeamento artificial;
  • usar óculos com proteção contra raios UV;
  • proteger a pele, também, durante o inverno, pois os raios ultravioleta continuam sendo prejudiciais;
  • verificar com frequência o próprio corpo em busca de pintas e manchas anormais, crescimentos estranhos ou irritações.

Por fim, é sempre importante lembrar que o especialista deve ser consultado no caso de qualquer dúvida ou suspeita. Como apontamos acima, o sucesso no tratamento do carcinoma espinocelular depende do quanto precoce ele foi detectado.

Quer saber mais? Estou à disposição para solucionar qualquer dúvida que você possa ter e ficarei muito feliz em responder aos seus comentários sobre este assunto. Leia outros artigos e conheça mais do meu trabalho como oncologista em São Paulo!

Comentários

O que deseja encontrar?

Compartilhe

Share on facebook
Share on linkedin
Share on google
Share on twitter
Share on email
Share on whatsapp