câncer de pele

O que são os raios UVA e UVB e por que eles podem causar câncer de pele?

A luz ultravioleta é composta por comprimentos de onda mais curtos que a luz que podemos enxergar. Mas a nossa pele consegue sentir e fica sujeita aos seus efeitos prejudiciais. Há dois tipos de luz ultravioleta que, cientificamente, podem contribuir para o risco de câncer de pele: a UVA e a UVB. Cada uma com suas próprias particularidades.

Nos próximos tópicos, vamos entender melhor o que são esses tipos de luz ultravioleta e os seus impactos na pele. Acompanhe!

Raios UVA e UVB

Há diferenças na forma sobre como os raios UVA e UVB afetam a pele humana, mas ambos os tipos são capazes de causar sérios danos para o individuo:

Ultravioleta A (UVA): apresenta um comprimento de onda mais longo e sua principal ação negativa está associada ao envelhecimento da pele.

Ultravioleta B (UVB): tem um comprimento de onda mais curto e pode causar queimaduras na pele.

Quando a pessoa é exposta a esses raios sem nenhum tipo de proteção, o DNA presente nas células da pele acaba sofrendo danos. Como consequência direta, temos os defeitos genéticos ou mutações que podem levar ao surgimento do câncer de pele — assim como ao envelhecimento prematuro.

É importante lembrar que os danos desses raios se estendem para outras partes do corpo além da pele. Por exemplo, podem causar danos aos olhos, incluindo câncer na pálpebra e catarata.

O que está em jogo

A radiação ultravioleta é uma das principais causas para o carcinoma basocelular e para o carcinoma espinocelular. Frequentemente, esses tipos de doença surgem em áreas da pele que ficam mais expostas aos raios solares.

A boa notícia, é que quando são descobertos cedo o suficiente, essas formas de câncer são quase sempre passíveis de serem curadas.

Além disso, a exposição aos raios UVA e UVB tem uma relação importante com o desenvolvimento do melanoma. Esse é o mais perigoso dos três tipos mais comuns de câncer de pele.

Pesquisas recentes têm apontado que os raios ultravioleta ao danificar a pele também podem promover alterações no gene responsável por suprimir os tumores. Como consequência, existe um relativo aumento dos riscos de as células danificadas pelos raios solares se transformarem em câncer de pele.

O que você precisa saber

Sempre que o assunto envolver raios ultravioleta, os pontos a seguir sempre devem ser lembrados:

  • A maioria dos casos de cânceres de pele não melanoma, além de um percentual significativo dos melanomas estão relacionados a exposição da pele aos raios UVA  e UVB.
  • A exposição aos raios ultravioleta constituem um intenso ataque à pele, criando danos que podem variar dos estéticos ao câncer de pele.
  • Danos decorrentes da exposição ultravioleta são cumulativos, por isso, com o passar do tempo o risco de câncer de pele tende a aumentar.
  • O corpo humano é capaz de reparar danos causados pelo sol à pele. Mas não todos. Os danos não reparados aumentam com o tempo e fazem disparar as mutações celulares, deixando a pessoa mais vulnerável a tumores malignos.

Sendo assim, todo o cuidado é sempre válido. Esperamos que esse artigo tenha ajudado você a entender melhor sobre os raios UVA e UVB, assim como sua relação com câncer de pele. No caso de qualquer suspeita ou dúvida, consulte sempre o especialista!

Quer saber mais? Estou à disposição para solucionar qualquer dúvida que você possa ter e ficarei muito feliz em responder aos seus comentários sobre este assunto. Leia outros artigos e conheça mais do meu trabalho como oncologista em São Paulo!

Comentários

O que deseja encontrar?

Compartilhe

Share on facebook
Share on linkedin
Share on google
Share on twitter
Share on email
Share on whatsapp