pinta

Quando uma pinta passa a ser um sinal de alerta?

Quase todas as pessoas tem alguma pinta. Algumas mais, outras menos. Muitas vezes, elas são consideradas um “charme” estético. Entretanto, em algumas situações essas pequenas manchas na pele podem indicar que algo pode estar errado.

Quer saber mais quando uma pinta deve ser observada com atenção? Continue a leitura e saiba mais sobre esse tema!

Sinais de alerta

De forma geral, as pintas que não afetam em nada a saúde da pessoa tendem a ser arredondadas, ovais, elevadas ou planas, e não mudam de cor. Algumas podem acompanhar a pessoa desde o seu nascimento. Outras, surgem no decorrer da infância e nos anos de adolescência.

Uma curiosidade, é que existem até mesmo as pintas que desaparecem com o passar dos anos. Assim como também aquelas que permanecem do mesmo jeito durante toda a vida do indivíduo.

Por outro lado, há alguns aspectos muito importantes que devem ser observados, especialmente para saber se é o momento de procurar um especialista para uma avaliação mais atenta.

Aqui, um dos sinais de alerta é quando as pintas aparecem na pele quando a pessoa já é adulta. Além disso, ao contrário das pintas normais, aquelas que representam riscos podem mudar de tamanho, formato e cor.

É preciso ter muita atenção e procurar o médico especialista, pois essas características podem representar indicadores de um melanoma.

Regra do ABCDE

Existe uma metodologia adotada por especialista, representada por letras do alfabeto, para identificação de lesões que merecem atenção. Veja:

Assimetria (A): quanto mais assimétricas, maiores os riscos de câncer;

Bordas (B): lesões (pintas e manchas) com bordas irregulares;

Cor (C): a pinta não tem uma cor uniforme ou pode ficar mais clara ou mais escura. Aliás, quanto mais escura for a coloração mais perigo ela representa;

Diâmetro (D): aquelas que são maiores que seis milímetros devem ser investigadas imediatamente, assim como as lesões que crescem muito rápido;

Evolução (E): a atenção deve ser voltada para todas as manchas e pintas que apresentam a alterações em sua cor, relevo, tamanho e forma em um período relativamente curto de tempo — algo entre 1 e 3 meses.

Fatores de risco

Pessoas pertencentes a alguns grupos precisam estar ainda mais atentas as pintas, pois tal grupo pode deixá-las mais vulneráveis ao câncer de pele. Dentre eles:

  • pessoas com a pele muito clara;
  • quem teve familiares que já foram diagnosticados com melanoma;
  • quem está mais exposto ao sol, especialmente quem trabalha ao ar livre;
  • quanto mais elevada for a idade, maior a possibilidade de lesões cancerosas;
  • o histórico pessoal, isto é, quem já teve câncer de pele.

Protegendo a pele

Além de observar as pintas, a pessoa pode adotar alguns cuidados simples, mas que são excelentes para prevenir o câncer e outros problemas na pele, como o envelhecimento precoce:

  • evitar o período de em que sol está mais quente — entre 10h e 16h;
  • sempre fazer uso do protetor solar com o fator mais adequado para o tipo de pele;
  • usar hidratantes para evitar lesões causadas pelo sol — existem opções de protetores que contam com hidratantes em suas fórmulas.

No mais, sempre que tiver alguma dúvida sobre uma pinta ou mancha na pele, lembre-se de consultar o médico o quanto antes. Dessa forma, caso exista algum problema o tratamento poderá ser feito imediatamente garantindo que a pessoa mantenha sua qualidade de vida e saúde!

Quer saber mais? Estou à disposição para solucionar qualquer dúvida que você possa ter e ficarei muito feliz em responder aos seus comentários sobre este assunto. Leia outros artigos e conheça mais do meu trabalho como oncologista em São Paulo!

Comentários

O que deseja encontrar?

Compartilhe

Share on facebook
Share on linkedin
Share on google
Share on twitter
Share on email
Share on whatsapp