Rastreamento do câncer de mama

Rastreamento do câncer de mama – Quem deve fazer?

O câncer de mama tem a sua prevalência em mulheres, mas ao contrário do que muitos pensam, acontece também nos homens, apesar de raramente. Segundo recomendação da Organização Mundial da Saúde (OMS), mulheres a partir dos 50 anos devem iniciar de forma anual o rastreamento do câncer de mama, com o autoexame e também visitas ao seu ginecologista ou mastologista, para a realização de mamografia e demais exames preventivos. E isso de forma menos bem definida serve também para os homens, na mesma faixa etária.

Sobre o rastreamento do câncer de mama

O Ministério da Saúde garante, para mulheres entre os 50 e 69 anos, seguindo recomendações da OMS,  a mamografia bilateral através do SUS sem sequer necessidade de pedido médico, como medida de rastreamento.

Todavia, hoje é discutível em alguns lugares do mundo a idade ideal para o início desse rastreamento cair para 40 anos, devido ao aumento na incidência do câncer de mama em mulheres mais jovens, principalmente para aquelas que já possuem histórico anterior do problema na família e isso inclui a Sociedade Brasileira de Mastologia (SBM) e a Federação Brasileira de associações de Ginecologia e Obstetrícia (FEBRASGO), sociedades que pregam medidas mais precoces inclusive que as sociedades norte americanas, japonesa e algumas européias.

Já a discussão entre realizar rastreamento de “oportunidade” (apenas quando a mulher procura por livre e espontânea vontade) contra buscar um publico alvo, já não encontra mais defensores como antes, pois o segundo, como é feito hoje no nosso país já se demonstrou mais efetivo.

Porém, alguns dados sobre o rastreamento do câncer de mama no Brasil são preocupantes. Por exemplo, apenas 30% das mulheres dentro da faixa etária indicada para o início da prevenção anual já passaram em consultas com especialistas ou realizaram mamografia. Ou seja, 70% das mulheres sequer procuraram auxílio, mesmo ao notarem alguma irregularidade em suas mamas. Motivo pelo qual também alguns países no mundo utilizam um protocolo mais ativo de convocação para realização e conscientização para a mamografia.

Dessa forma, é muito mais complicado que haja uma redução nas taxas de mortalidade da doença, tendo em vista que esse 70% despreocupado ou pouco interessado na questão só vai procurar ajuda quando a doença atingir metástases, o que torna o tratamento e a cura mais complicados.

Se diagnosticado em fases iniciais, o câncer de mama tem cura em mais de 90% dos casos. Todavia, caso a doença tenha se espalhado para outras regiões do corpo, esse índice cai para menos de 30%.

Homens também podem desenvolver a doença

Em todos os casos diagnosticados de câncer de mama, apenas 1% deles correspondem aos homens. Mas eles existem e devem servir de alerta. Os sintomas são geralmente os mesmos que ocorrem com as mulheres: perceber algum tipo de caroço, nódulo ou inchaço, normalmente indolor, em uma ou nas duas mamas. Nos homens, por terem um tecido mamário menor e atrofiado, os nódulos surgem na região abaixo da aureola (bico do peito), ou muito próximo dela.

Então o que devo fazer ?!

Portanto, se você é mulher e tem mais de 40 anos é muito importante que comece a realizar o rastreamento da doença através do autoexame mensal e da mamografia anual. Se na sua família já ocorreram casos da doença, o autoexame já deve estar presente bem antes dos 40 anos, para que qualquer alteração possa ser notada em fases iniciais e a suas chances de cura sejas mais próximas aos 100%.

Caso você perceba alguma anormalidade na mama, um inchaço, abaulamento ou qualquer tipo de caroço, seja você homem ou mulher, procure imediatamente um auxílio médico. Na maioria dos casos essas alterações podem ser benignas e não oferecem problemas maiores. Porém, elas também podem sinalizar um câncer de mama.

Quer saber mais? Estou à disposição para solucionar qualquer dúvida que você possa ter e ficarei muito feliz em responder aos seus comentários sobre este assunto. Leia outros artigos e conheça mais do meu trabalho como oncologista em Londrina!

O que deseja encontrar?

Compartilhe

Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter
Share on email
Share on whatsapp